morro do Macaco

terça-feira, maio 06, 2008

trem expresso

tomando uma xícara de café expresso, num bar de esquina, num breve instante, num milimétrico segundo, ele pensou no Amor, um diamante infinitesimal microscópico, pedra ancestral, estrela fulminante, objeto distante e agudo, flecha, sangue, pequenez - a dor perdida no meio da lama do infinito dos extremos dos confins do jardim Gramacho


5 Comments:

At 11:03 da tarde, Blogger Mary said...

Quem são eles?

 
At 11:04 da tarde, Anonymous Uma said...

Quem são eles?

 
At 9:06 da tarde, Anonymous célia musilli said...

Ah! o amor, né Seu Djalma....bruta flor... Um Beijo.

 
At 2:38 da tarde, Anonymous ana de toledo said...

Nossa! Como eu gostava do Beto Guedes...
Um abração, Djalma!
www.copacabanadetoledo.blogger.com.br
Apareça mais!

 
At 11:48 da tarde, Blogger Das Montanhas said...

Grande Djalma, belíssima foto. Saudades do Clube da Esquina, do Milton e seus sons geniais - pq infelizmente a produção de agora não paga placê para a daqueles tempos.

 

Enviar um comentário

<< Home